Curta a nossa página
 
01/05 09h21 2020 Você está aqui: Home / Cidades Da Redação Imprimir postagem

Um ano após explosões a bancos em Campo Maior nada mudou na segurança da cidade

Era madrugada de uma terça-feira, 30 de abril de 2019. Bandidos armados em caminhonetes chegaram à Avenida Demerval lobão e se dividiram em dois grupos, um ficou na agência da caixa econômica e outro foi para agencia do banco do brasil. Quase que simultâneo, as duas agências foram explodidas e o dinheiro dos caixas levados.

Foram cinco dias de buscas até que policiais militares do Piauí e do Ceará deram de cara com o grupo de criminosos na zona rural de Cocal, na extrema do Piauí com o Ceará. Era manhã de domingo, 05 de maio, houve troca de tiros e cinco bandidos foram abatidos. Todos naturais do estado de Minas Gerais. Durante à tarde do mesmo dia, mais um bandido foi morto, somando, assim, seis criminosos mortos na zona rural de Cocal.

Na manhã do dia seguinte, na segunda-feira (06), outro grupo de bandidos foi encontrado na cidade de Barras-PI. Mais dois criminosos foram mortos. Um era mineiro e o outro piauiense. Ainda em Barras, a policia prendeu mais cinco membros da quadrilha, entre eles um filho de um major da Polícia Militar do Piauí.

Na quinta-feira (09) mais um mineiro foi morto na BR-343 na chegada capital Teresina. Ele tentava chegar a capital do Piauí na companhia de Marcelo Negão, apontado como líder da quadrilha. Este conseguiu fugir do cerco policial, mas meses depois foi prese justamente em Campo Maior, quando tentava fugir para Fortaleza.

PROMESSAS PÓS-EXPLOSÕES NÃO FORAM CUMPRIDAS

Logos após as explosões dos bancos em Campo Maior, o secretário de segurança Fabio Abreu se reuniu com o prefeito Professor Ribinha, e outras autoridades, e prometeu uma série de ajudas para Campo Maior, como o aumento no efetivo de policiais, novas viaturas, um sistema interligado de comunicação de rádio patrulhamento, e o principal: um sistema de monitoramento das entradas e saída da cidade, com câmera de segurança.

Segundo apurou o Em Foco, o efetivo da polícia continua o mesmo da época das explosões; viaturas novas também não chegaram e o vídeomonitoramento não saiu do papel. Vale lembrar que a promessa do secretario Fabio Abreu da instalação de um sistema de vídeomonitoramento, vem desde 2015, quando o prefeito de Campo Maior ainda era Paulo Martins. A promessa foi feita durante solenidade no 15º BPM (foto abaixo).

PROMESSA É ANTIGA E REPETITIVA

Em 2016, durante anúncio para o mesmo serviço para a cidade de José de Freitas, Fabio voltou a prometer o serviço para Campo Maior.

Em janeiro de 2017, durante audiência com o então deputado Aluísio Martins e prefeitos da região (foto abaixo), nova promessa.

Em 14 de maio de 2019, após as explosões, Fábio disse que o projeto estava avançado e citou o fato do governo do Piauí afirmar que Campo maior estava com o projeto de “Piauí Conectado” na cidade, o que felicitaria a instalação das câmaras de seguranças.

“Temos uma boa notícia para Campo Maior. Pelo fato do município já ter recebido o “Piauí Conectado”, isso significa um grande avanço e que o sistema que vai ser implantado através de uma PPP vai estar conectado com sistemas de outras cidades. Dessa forma vamos coibir crimes de roubos de bancos, vamos ter solução de crimes mais graves e crimes mais leves também porque placas e rostos vão ser detectados” disse Fabio Abreu na época.


  Tags:

sem tags

Comentários

Atenção! Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião desta página, se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
lista mais

Artigos relacionados