Facebook
  RSS
  Whatsapp

  18:42

Petrobras registra lucro líquido recorde de R$ 188,33 bilhões em 2022

 Petrobras aprovou nesta quarta-feira (1º) o pagamento de um novo megadividendo aos acionistas 16/10/2019 REUTERS/Sergio Moraes

A Petrobras divulgou na noite desta quarta-feira (1º) que seu lucro líquido registrado em 2022 foi de R$ 188,33 bilhões, recorde histórico da estatal. O resultado é 77% maior que do ano anterior.

Se considerado o quarto trimestre, o lucro líquido registrado é de R$ 43,34 bilhões, alta de 37,6% em relação ao terceiro trimestre.

O montante veio acima do resultado esperado por uma pesquisa da Refinitiv, que era de R$ 37,61 bilhões. O Ebitda – lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação – ajustado no período foi de R$ 73,09 bilhões.

A estatal divulgou seu balanço do quarto trimestre (4T22) e consequentemente os resultados do ano de 2022.

De acordo com a companhia, todas as metas de produção para o ano foram atingidas, tendo atingido recorde anual na produção operada. No trimestre, a produção total própria no pre-sal foi 1,5% acima do registrado nos três meses anteriores e representa 75% da produção total da Petrobras.

“Este resultado se deveu, principalmente, à entrada em operação do FPSO Guanabara (campo de Mero) e da P-71 (campo de Itapu), bem como à continuidade dos ramp-ups da P-68 (campos de Berbigão e Sururu), FPSO Carioca (campo de Sépia) e FPSO Guanabara, todos localizados no pré-sal da Bacia de Santos. Outro fator que contribuiu para este resultado foi a entrada em produção de novos poços da Bacia de Campos”, diz o relatório da companhia.

Segundo comunicado da Petrobras, o aumento se deve principalmente à alta dos preços do petróleo, melhor resultado financeiro e ganhos com acordos de coparticipação em campos da Cessão Onerosa.

O balanço da companhia também aponta recorde no pagamento de tributos e participações governamentais, com recolhimento total de R$ 279 bilhões. Outro recorde foi de fluxo de caixa livre, de R$ 205,8 bilhões, alta de 22% em relação a 2021.

Dividendos

A Petrobras aprovou nesta quarta-feira (1º) o pagamento de um novo megadividendo aos acionistas. A decisão foi tomada pelos onze integrantes do Conselho de Administração, que inclui o novo presidente da estatal, Jean Paul Prates (PT).

O megadividendo da Petrobras deve ficar em R$ 29 bilhões, mas a diretoria chegou a defender R$ 35 bilhões, conforme fonte do conselho de administração ouvida pela CNN.

A decisão vem um dia depois da crítica da presidente do Partido dos Trabalhadores, Gleisi Hofmann, sobre a política de remuneração dos acionistas.

A companhia informou que, como o montante ultrapassa em R$ 6,5 bilhões no trimestre a aplicação da fórmula prevista na Política de Remuneração aos Acionistas, o conselho de administração (CA) sugeriu que os acionistas avaliem a criação de uma reserva estatutária.

“Caso os acionistas não acatem a sugestão do CA de criar a reserva, ou, caso não seja retido todo o saldo, o conselho recomendou aos acionistas que o pagamento desses R$ 6,5 bilhões ou do saldo remanescente ocorra em 27/12/2023 corrigido pela Selic e deduzido do valor da segunda parcela de dividendos”, disse a empresa.

No caso de aprovação sem a retenção ou postergação, os dividendos serão pagos em duas parcelas iguais nos meses de maio e junho.

O banco suíço UBS realizou uma estimativa em que mostra que a Petrobras deve distribuir o equivalente a 28% do preço de suas ações em dividendos a seus acionistas.

Ao comparar com outras petroleiras internacionais, a Petrobras sai na frente. A chinesa Sinopec distribui 9% em dividendos. Em seguida, aparecem Exxon e Saudi Aramco, com 4%. Por fim, Chevron e Shell com uma distribuição de 3% em dividendos.

 

*Publicado por Ana Carolina Nunes. Com informações de Reuters/CNN BRASIL

Mais de Economia