Facebook
  RSS
  Whatsapp

  22:50

Mais duas pessoas são presas suspeitas esquartejar jovem no PI; blogueira tirou foto ao lado do corpo

 Foto: Vítima e blogueira sendo preso suspeita de ser a mandante do crime

Mais duas pessoas foram presas, nesta terça-feira (9), suspeitas de participação na morte e no esquartejamento de Silvana Rodrigues de Sousa, de 21 anos. Uma blogueira identificada  como Maria Clara já tinha sido presa na segunda (8) como sendo a mandante do crime.

Conforme o delegado Bruno Ursulino, que investiga o caso, foram presos um homem e uma mulher. O homem, que já tem passagens pela polícia, teria participado diretamente do crime. A mulher presa é dona da residência onde a vítima foi assassinada.

LEIA MAIS-Blogueira é presa suspeita de comandar morte e esquartejamento de jovem em Teresina (PI)

A participação da blogueira na morte da vítima foi comprovada por uma foto em que é possível ver o corpo da mulher e parte da perna da suspeita. A foto mostra a tatuagem de Maria Clara. Veja:

Polícia detalha crime

Conforme o delegado Bruno Ursulino, do Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), a mandante  atraiu a vítima para a residência onde o crime ocorreu.

"Ela foi a mandante desse crime, determinou como tudo ia ocorrer e chamou a vítima para a região. Além disso, ela também participou da execução, não há dúvidas. Uma foto ao lado do corpo aparece a tatuagem dela na perna", explicou o delegado.

Quem é Maria Clara

A jovem identificada como Maria Clara, suspeita de cometer o crime, já foi presa e condenada por tráfico de drogas e receptação. Ela morava na Vila da Guia, na Zona Sudeste de Teresina, e faz parte de uma facção criminosa. Ela é mãe de um bebê.

Conforme a Polícia Civil, Maria Clara determinou a morte porque Silvana morava na Vila da Guia (dominada pela facção de que Maria fazia parte), mas estava se relacionando com uma pessoa envolvida com uma organização criminosa rival, da Zona Norte.

Conforme a polícia, Maria Clara suspeitava que Silvana estivesse passando informações para eles.

"Foi a Maria Clara que determinou que iam matar a Silvana. Depois que ela foi assassinada, se questionaram o que iriam fazer depois e a Maria Clara mais uma vez determinou que ela seria esquartejada e ocultariam o corpo", explicou o delegado Bruno Ursulino, responsável pelo caso.

A blogueira, segundo o delegado Ursulino, tinha a função de "disciplina". O chamado "disciplina" é um membro da organização que teria a função de castigar outros membros ou pessoas da comunidade que tenham infringido regras impostas pelo próprio grupo.

A vítima, Silvana

Silvana tinha 21 anos e morava sozinha na região onde foi morta. Conforme a família, a jovem tinha distúrbios mentais e chegou a fazer acompanhamento psicológico e psiquiátrico, fazendo uso de medicação. Há algum tempo, contudo, ela havia interrompido o tratamento.

A família notou o sumiço da jovem das redes sociais e acionou a polícia. Depois que o corpo foi encontrado, os familiares fizeram o reconhecimento.

Depois disso, ela passou a usar drogas e se tornou dependente. Segundo o delegado Bruno Ursulino, Silvana não pertencia a nenhuma facção e nem tinha nenhuma passagem pela polícia, mas tinha amizades com membros e teria comprado drogas com eles em algumas oportunidades.

O crime

Conforme o delegado Bruno Ursulino, do Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), possivelmente mais de uma pessoa participou do crime, devido aos indícios da dinâmica da morte de Silvana.

Ela foi atraída para o local do crime por Maria Clara, com a promessa de que faria um programa.

Casa abandonada onde Silvana Rodrigues foi assassinada 

O delegado disse que a jovem foi morta na casa onde a polícia encontrou vestígios de sangue, na Vila da Guia, Zona Sudeste. Dois facões foram achados na casa e a mulher teve o corpo cortado em várias partes.

"A vítima foi asfixiada até a morte, depois teve seu corpo esquartejado. Os criminosos registraram em fotos a morte dela para, possivelmente, usar como exemplos pra outros membros. Um pedaço de madeira encontrado no local levou a crer que fizeram um torniquete para o seu esquartejamento. Até pedaços de carne encontramos na parede", afirmou o delegado.

As partes do corpo dela foram colocadas dentro de dois sacos de estopa, que foram levados para a área de mata, vizinha à casa, e enterradas em covas de aproximadamente 1 metro de profundidade. Depois, os criminosos tentaram cobrir a cova, para esconder os vestígios da escavação. Mais de uma pessoas, segundo a investigação, estava presente nesse momento.

A mulher foi encontrada por cães farejadores do Corpo de Bombeiros do Ceará. 

 

Fonte: G1

Mais de Polícia