Facebook
  RSS
  Whatsapp

  23:22

Influencer morre após procedimento estético; biomédica que aplicou não tem registro

 Foto: vítima

A modelo brasiliense e influenciadora digital Aline Maria Ferreira, de 33 anos, morreu nessa terça-feira (2/7), após passar por um procedimento estético na clínica Ame-se, em Goiânia. Segundo os familiares, a jovem teve infecção generalizada após aplicação de PMMA nos glúteos. O caso é investigado pela 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul).

Aline morreu em um hospital privado da Asa Sul, onde estava internada desde sábado (29/6). Antes, ela havia sido atendida no Hospital Regional da Asa Norte (Hran).

Testemunhas informaram à polícia que a modelo começou a passar mal logo após a intervenção estética feita pela biomédica Grazielly Barbosa, em Goiânia (GO), em 23 de junho deste ano. Os familiares lembram que a jovem voltou para casa, no Gama, e começou a ter febre e dor na barriga. Eles entraram em contato com a clínica, que recomendou apenas um remédio para dor de cabeça.

Na quinta-feira (27/6), Aline piorou e chegou a desmaiar. O marido a levou para um hospital particular na Asa Norte, depois para o Hran, onde a jovem ficou internada por um dia e foi transferida a um hospital da Asa Sul.

Grazielly Barbosa é apontada como proprietária da clínica. No procedimento, a família informou que foi feita a aplicação de 30 ml de PMMA em cada glúteo. A biomédica chegou a visitar a vítima no Hran, ocasião em que afirmou que não tinha aplicado o produto PMMA, mas, sim, um bioestimulador. Acrescentou, ainda, que Aline poderia ter pegado uma infecção no lençol de casa, versão desmentida pela família.

Pastor

Ainda de acordo com a família, Grazielly, mesmo sem autorização, mandou o seu pai visitar Aline no hospital, pois “ele seria pastor e faria uma oração por ela”.

Biomédica não tem registro

A biomédica Grazielly da Silva Barbosa foi presa em flagrante por aplicar polimetilmetacrilato, também conhecido como PMMA, nos glúteos da modelo e não tinha registro profissional no Conselho Regional de Biomedicina.

Apurações da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra o Consumidor (Decon), da PCGO, apontaram que a clínica da biomédica, a Ame-se, em Goiânia, não possuía alvará sanitário. Os policiais civis acionaram a Vigilância Sanitária de Goiânia, que compareceu ao local e interditou o consultório.

Grazielly Barbosa foi levada para a delegacia após receber voz de prisão em flagrante por crimes contra as relações de consumo.

Fonte: Metrópoles

Mais de Brasil