Facebook
  RSS
  Whatsapp

  17:52

A prefeitura de Campo Maior aguenta financiar eleição de duas cidades?

 

Não é segredo pra ninguém que a Prefeitura de Campo Maior virou cabide de emprego político para sustentar lideranças políticas de duas cidades, Campo Maior e Jatobá do Piauí. Basta olhar o portal da trânsparência e o diário oficial para ver a lista de políticos e parentes de políticos de Jatobá recebendo na prefeitura de Campo Maior. Mas será que a viúva aguenta? E quais as consequências disso?

Já vimos esse filme antes. Se voltarmos um pouco no tempo, podemos verificar que estamos vivendo uma reprise do que aconteceu em 2008 onde João Félix usou a mesma estratégia para tocar duas campanhas, em Campo Maior onde buscava a reeleição e em Jatobá do Piauí.

Perdeu em Jatobá e para não perder também em Campo Maior teve que usar tudo que podia para se reeleger aqui sacrificando a gestão municipal. Acabou sendo reeleito com a diferença de apenas 946 votos. Na época ele obteve 13524 votos e Paulo Martins foi o segundo com 12578 votos, sendo que em 2004 ele tinha sido eleito com a diferença de 2211 votos.

Resultado da eleição em 2004 onde João Félix venceu com mais de 2 mil votos de maioria.

Em 2008 o resultado foi mais apertado. A força da máquina desequilibra o jogo.

A consequência disso é que sua segunda gestão foi um verdadeiro desastre administrativo com atraso salarial, falta de merenda nas escolas, falta de transporte escolar, falta de medicamentos, falta de limpeza pública, sucateamento do SAAE com falta de água por quase toda cidade, greves e vários outros desmandos que só quem viveu lembra daquele filme de terror.

Neste ano, João Félix, se não for impedido judicialmente, visto que está com os direitos políticos cassados, vai buscar sua reeleição e tenta a qualquer custo eleger o filho na cidade vizinha.

E esse artigo não é apenas para alertar os eleitores do que pode vir pela frente, mas também para chamar atenção dos vereadores das duas cidades e dos órgãos de fiscalização dos recursos públicos, pois a população não pode ser penalizada em troca da realização de projetos pessoais de ninguém.

Mais de Wesley Paz