Curta a nossa página
 
19/07 23h59 2019 Você está aqui: Home / Sigefredo Pacheco Da Redação/Sigefredo Pacheco Imprimir postagem

Sigefredo Pacheco

Da Redação/Sigefredo Pacheco

campomaioremfoco@hotmail.com

Você está aqui: Home / Da Redação/Sigefredo Pacheco - com Sigefredo Pacheco

Pré-candidato a prefeito de Sig. Pacheco é condenado por favorecer acusado de estupro

O Juiz de Direito da 1ª Vara da Comarca de Campo Maior, Múccio Miguel Meira, condenou Sérgio Weberson Saraiva Rodrigues, Paulo Henrique Bezerra, os dois por estupro de vulnerável; e Paulo Henrique de Oliveira Castro pelo crime de favorecimento pessoal. No mesmo processo, foram absorvidos Tiago de Oliveira Melo, Francisco das Chagas Ribeiro Filho e Anderson Manoel Aragão Silva.

Paulo Henrique de Oliveira Castro foi candidato a prefeito de Sigefredo Pacheco em 2016, ficando em terceiro lugar e já lançou o nomem como pré-candidato a prefeito em 2020.

O CASO

Em 13 de junho de 2016 o Em Foco teve acesso a um vídeo em que alguns jovens tocavam nas partes íntimas de uma mulher em um carro. O caso repercutiu na imprensa nacional e cinco rapazes foram presos.

O caso aconteceu cidade de Sigefredo Pacheco (190 km ao norte de Teresina). Segundo a polícia, o fato aconteceu em 03 de junho, 10 dias antes de o vídeo ser compartilhado no aplicativo whatsApp.

A ACUSAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO

O Ministério Público ofereceu as alegações finais, pugnando pela condenação de Sérgio Weberson Saraiva Rodrigues e Paulo Henrique Bezerra, duas vezes, em concurso material, nas penas do Art.217-A, §1º do CP (conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso; e a vítima não poder oferecer resistência); e a condenação de Tiago de Oliveira Melo, Francisco das Chagas Ribeiro Filho e Anderson Manoel Aragão Silva, uma vez, nas penas do Art.217-A, § 1º, do CP; a absolvição dos acusados em relação ao crime de roubo majorado. Por fim, que Paulo Henrique de Oliveira Castro fosse condenado, duas vezes, em concurso material, nas penas por favorecimento pessoal e tentativa de fraude processual.

A DECISÃO

“Da análise dos fatos, conclui-se que Sérgio Weberson Saraiva Rodrigues e Paulo Henrique Bezerra praticaram o crime de estupro de vulnerável em face da vítima, no momento em que se aproveitaram que esta estava desacordada (sem poder oferecer resistência), possivelmente em virtude da embriaguez alcoólica [....] contexto praticado com pilhéria e desprezo, com a filmagem feita pelo acusado Sérgio. Pelas filmagens e pelos depoimentos prestados na instrução, aponta-se que Sérgio iniciou a manipulação, com a adesão de Paulo Henrique [...]. Não enxergo, porém, a possibilidade de condenar os dois primeiros acusados por dois crimes de estupro, como pretende o Ministério Público nas alegações finais. O ato no carro foi filmado, ficando mais fácil individualizar as condutas criminosas. Já eventuais atos ocorridos na casa tiveram apenas uma fotografia, a qual não aponta de forma peremptória o que lá ocorreu.” Escreveu o juiz.

AS DEESAS DE SÉRGIO E PAULO HENRIQUE BEZERRA

“Sérgio Weberson alegou que não houvera crime. Que a suposta vítima, desde o início do caso e de sua veiculação midiática, vinha sendo pressionada por questões politicas, que na época apareceram ate advogados querendo acompanhar a suposta vítima, para aparecerem um pouco na mídia, o que deixou o depoimento em delegacia cheio de vícios e tendencioso. E que, na instrução, contou a verdade. Porém, como dito alhures, a versão trazida pela vítima destoa do acervo probatório, principalmente do vídeo que mostra efetivamente que ela estava dormindo. Há ainda outro ponto que afasta a idoneidade do depoimento da vítima prestado em juízo, qual seja o fato de que o acusado Paulo Henrique de Oliveira Castro ter sido interceptado buscando meios para comprar da vítima uma versão que isentasse os acusados de culpa. Em verdade, percebe-se um comportamento atípico da vítima na audiência. Esta, por algum motivo, recusa-se a falar e fala sem coerência”.

“O acusado Paulo Henrique Bezerra alegou que não houve o crime de estupro, apenas uma brincadeira de mau gosto na qual os acusados mostraram a genitália da vítima para a lente de uma câmara. Apontou ainda que a vítima concordou com a gravação do vídeo e que, depois, resolveu denunciar, pois foi influenciada pela imprensa. Ocorre que, como dito acima, os atos libidinosos consistiram no fato de Paulo Henrique e Sérgio Weberson terem exposto e manipulado a genitália da vítima com os dedos”.

QUANTO AOS OUTROS ACUSADOS, ANDERSON, TIAGO E FRANCISCO DAS CHAGAS FILHO

“Concluo que não há provas suficientes para a condenação. O MP busca a condenação alegando que Observa-se também no vídeo as condutas de incentivo, orientação, apoio e indução da conduta dos executores, ou seja, participação na conduta.”

QUANTO AO ACUSADO PAULO HENRIQUE CASTRO (RELATADO PELO JUIZ)

O MP diz que Paulo Henrique Castro teria agido para destruir provas (mandou destruir o celular) ou evitar que as provas chegassem a juízo (orientou os réus a mentirem e a buscarem fazer com que a vítima não desse a versão que poderia incriminá-los).

A interceptação, colhida sob autorização judicial do juiz de Castelo do Piauí, aferiu que o acusado auxiliou Sérgio Weberson Saraiva Rodrigues a subtrair-se a ação da autoridade pública. Como bem asseverado pelo parquet, no já citado relatório, às fls.27 e 29, há o registro de que o Paulo Castro contribuiu para que terceiras pessoas ocultassem Sérgio fora da comarca de Campo Maior, possivelmente em Teresina ou Timon, referências à fls.29 e 30, a fim de evitar a prisão cautelar.

O acusado Paulo Henrique alega que não praticou o crime, que buscava apenas ajudar a resolver a situação, pois o caso estava atrapalhando a sua campanha política. Disse ainda que não ofereceu dinheiro para a vítima nem ajudou um dos acusados a fugir. Porém as interceptações apontam em sentido diverso, como bem articulado [...] na própria denúncia, pois o acusado orientou em interceptações a fuga de Sérgio Weberson para Timon, havendo diálogo no qual ele fala para um interlocutor (Luís) sumir com o menino. Assim deve ser condenado pelo delito de favorecimento real [...]. Apesar de tais condutas caracterizarem verdadeira obstrução processual, não dá para enxergá-la como a fraude processual prevista no art. 347 do Código Penal, em face da ausência do "estelionato processual".

DECISÃO FINAL (RELATADO PELO JUIZ)

Ante o exposto e tudo mais que consta dos autos, julgo procedente, em parte, a pretensão ministerial e condeno os acusados SÉRGIO WEBERSON SARAIVA RODRIGUES e PAULO HENRIQUE BEZERRA como incursos no art. 217-A, § 1º, do Código Penal, e o acusado PAULO HENRIQUE DE OLIVEIRA CASTRO como incurso no art. 348 do Código Penal, ficando os demais acusados absolvidos, pelo que passo a dosar a reprimenda, com base nos arts. 59 e 68 do Código Penal.

Fica a pena de SÉRGIO WEBERSON SARAIVA RODRIGUES firmada em definitivo em 08 (oito) anos 10 (dez) meses e 20 (vinte) dias de reclusão. O regime inicial de cumprimento da pena será o fechado, dada a sua hediondez (nos termos do art. 2º, § 2º, da Lei 8.072/90), e pena quantidade da pena aplicada (art. 33, § 2º, do Código Penal).

Fica a pena de PAULO HENRIQUE BEZERRA firmada em definitivo em 09 (nove) anos de reclusão. O regime inicial de cumprimento da pena será o fechado, dada a sua hediondez (nos termos do art. 2º, § 2º, da Lei 8.072/90), e pena quantidade da pena aplicada (art. 33, § 2º, do Código Penal).

Fica a pena de PAULO HENRIQUE DE OLIVEIRA CASTRO, fixo a pena mínima de um mês de detenção ao acusado, no regime aberto. Quanto à multa, fixo a pena de dez dias-multa, sendo que cada dia-multa será de um salário mínimo, em virtude da profissão declinada pelo acusado. Deve a multa ser paga em até 10 dias do trânsito em julgado, sob pena de sua cobrança legal. Nos termos do art. 44 do Código Penal, substituo a pena de detenção pela de prestação de serviços à comunidade, nas condições a serem fixadas pelos juízo da condenação.

DA POSSIBILIDADE DE OS ACUSADOS APELAREM EM LIBERDADE (RELATADO PELO JUIZ)

“Os acusados encontram-se soltos, não tendo havido qualquer fato superveniente que viesse a apontar a necessidade da prisão. Assim sendo, concedo a eles o direito de apelar em liberdade.”

A decisão é do dia 10 de julho  

O QUE DISSE OS ENVOLVIDOS AO EM FOCO

O Em foco falou com Paulo Henrique Oliveira Castro. Em nota, ele disse apenas que “foi inocentado quanto ao crime de obstrução de justiça e se quisesse mais informações, procurasse seus advogados.”

O Em Foco falou com os advogados Dr. José Luís Filho e Dr. João Paulo, que, além de Paulo Henrique Castro, também defendem os outros citados.

Dr. Zé Luís disse que “já que o site tinha a sentença, que publicasse o que quisesse, mas que, no caso de Paulo Henrique Castro, era caso para juizado especial e que já recorreu ao Tribunal de Justiça.”

RELACIONADAS: 

Jovem vítima de estupro em Sigefredo se muda para Campo Maior

Vítima de estrupo em Sigefredo indica três suspeitos durante depoimento

Suposta vítima de estupro coletivo em Sigefredo Pacheco presta depoimento

Caso de suposto estupro coletivo em Sigefredo Pacheco passa no Jornal Hoje, da Globo

Vídeo de suposto estupro coletivo em Sigefredo Pacheco circula em aplicativo


  Tags:

sem tags

Comentários

Atenção! Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião desta página, se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.